A Libélula

2 Comments

Certa vez parei para pensar nos dias em que brinquei de ser feliz por engano. Achando que podia por certa possibilidade de saber; vi no meu próprio destino - já tão incerto (?! - que eu tinha talento para sentir os meus próprios sentimentos. Sonhando com o desejo, de sonhos decorados, - verdades aprendidas no querer de entender, e assim explicar as letras da palavras que vejo em seu olhar. Se ando pela chuva posso vetar as minhas condições de humana, possibilitando a mim, - escrever por um alguém. Tão confusa eu sei, simplesmente o óbvio a se ver. E como anjos em pedestais, eu concerto minhas asas num celeiro perdido em "cidades criadas", num mundo irreal, numa vida de  '...'. Meu corpo LIBELULARIZADO sem medo de correção, numa planilha conformista em padrões que eu questiono por . . . ridicularizá-los.
Sou libélula solta no ar. Arriscando por entre a vida, destinos a encontrar. Quando perdida, -me escondo em mim mesma, sem medo do mundo que eu mesma criei. Fiz meu auxílio quando num momento de êxtase; mesmo sempre ao final de tudo eu acabando jogada num canto. Eu arrisco e arrisquei, para inflar meu Êgo. De forma bem feliz (? . E fiz isso por VOCÊ, você que eu não sei bem quem é. Vivi esse tempo, a ainda o vivo, - por imaginar o existir de recompensas ao final (!)


You may also like

2 comentários:

  1. Incrível, é ao mesmo tempo um texto, mas que soa como poesia. Ah, e as fotos das postagens são lindas. E andei pensando dia desses que sempre tive problemas para escolher títulos, mas que ando me virando bem com eles ultimamente; lembrei dos seus títulos, porque acho que você os faz como eu: às vezes são uma ou duas palavras do próprio texto, mas ainda sim curtos e que resumem algo da história :D

    Mas, quanto às suas palavras, fico pensando o quanto é foda fazer a própria vida girar em torno de alguém que nem sabemos quem é, realmente. Talvez sejam coisas que nós mesmas criamos, mas continuo achando que são complexas demais para uma mente criar de uma hora para outra. Não sei, a realidade anda fugindo às minhas percepções.

    A cada post fico mais feliz por ter incentivado o blog, até andei fazendo propaganda dele para algumas pessoas - e ganhei uma seguidora, lálálá-lá ♪
    Divíssima! :*

    ResponderExcluir
  2. Agradecida pelos elogios, e retribuo da mesma maneira : seus textos são lindos!

    Antigamente eu costumava a me comparar com uma borboleta...
    Queria ser livre e, ao mesmo tempo, morar em um casulo quando as coisas pioressem...

    MAs percebi que isso -infelismente- era impossivel, pois eunucan seria livre, e nem teria um casulo protetor...

    ResponderExcluir