Estância do Coração

1 Comments


Eu me olho no espelho e vejo que já não sou mais feliz. Pergunto-me como deixei que as coisas chegassem à esse ponto se eu tanto me esforço para trilhar os melhores caminhos. Utopias passaram a ser minha sombra. Ofuscante e cinza, meu mundo vai se apagando, e quando a chuva escorre... eu deixo que ela me leve consigo.
Perco as coisas antes de obtê-las, vejo meus sonhos destruídos antes mesmo de eu poder expressá-los ao mundo. Minha vontade ignorada, eu sendo obrigada como se não existisse. Estou vivendo sem forças, sem brilho, sem perspectivas. Eu hoje tento imaginar o meu futuro e não vejo nada além do que vivo agora. Não consigo imaginar uma inerência desse  destino.
Inescrupulosamente a vida impõe, e eu me sinto inefável à narrar o que transpassa meu coração nesses momentos. A mesmice de praxe tomando cada célula de vida ainda existente em mim.
A vida deixa lacunas no meu coração, lapida crateras na alma,e rouba o brilho dos meus olhos. "Deixa-te como presente uma legião de precipícios emergindo das memórias ruins."
E os rostos envelhecem e se cansam, e nos cansam, e a vida não te dá escolha e você não sabe pelo o quê implorar. Tudo fica muito triste e escuro, e mesmo que ainda haja sonhos a realidade os destroem, deixando mais uma vez a dor da decepção de nunca ter obtido o que se queria, ou a decepção do tão pouco e depois... o fim.
Não resta mais nada, e nem nada a perder, e assim o nada vai tomando conta e faz como que eu fique aqui... finjindo existir. E é nesse estância do coração, que eu vivo por fim.


You may also like

Um comentário:

  1. vivo no nada como meu mundo perfeito ... (sem ideia ashaus =x)

    post muito massa =D

    (L)

    ResponderExcluir