Madame Sombra

1 Comments

Habitar cantos escuros; o seu deleite. Caminhar pela noite arrastando os pés para ir sem pressa. Seu vestido em farrapos vai se sujando de areia, enquanto a mestra caminha para ensinar aos seus servos.
Os olhos brilham ao vê-la. Reverências de submissos são feitas. Mas ela despreza tudo com dissabor. Recusa oferendas de gente que lhe é insignificante.
Ela dá sua palestra sábia e habitual, com seu profissionalismo de ser experiente. As palavras envolvem os ali presentes como cobras que enfeitição. Quem olhar nos seus olhos se perde ali mesmo; esquece quem é.
A figura elegante deixa sua aura no ar.... todos estão extasiados de fascinação por aquela voz. O feitiço os prendeu na teia daquela feiticeira deslumbrante.
A mestra caminha de volta para o seu castelo. Os gatos saem dos becos para vê-la passar. O vento canta uma canção de amor para ela. E lá em cima a lua oferece seu brilho para iluminar os olhos fulgurantes e feitiçeiros da rainha da noite.
Os corvos a esperam... e ela tão bendita, risca seu pulso com a lâmina do punhal, deixando vertejar seu sangue desejado pela as aves negras que o bebem vorazmente.
A dama de negro fecha-se em seu castelo com um sorriso nos lábios negros. Planeja desfrutar de sua própria companhia, enquanto com uma taça de sangue inocente... dança seu deslumbre com o lírico da canção.


You may also like

Um comentário:

  1. Uma palavra: instigante.
    Vou querer saber de onde veio a inspiração, com certeza ♥

    ResponderExcluir