Monólogo

1 Comments
Posso te entregar minha dor?
- Ama-me apenas com ardor.
Quantas noites terei que suportar viva?
- Muitas serão, até a partida.
Como sobreviver a este vazio?
- Esquecendo um pouco o sombrio.
Há quantas anda minha juventude?
- Terás que buscar mais plenitude.
Onde está minha razão?
- Perdestes na escuridão.
Sou eu uma completa insana?
- És alguém que muito ama.
E isso é o bastante?
- Torna a vida menos errante.
Quem és tu que me responde invisível, tomando minhas dúvidas para si?
- Sou ainda o pouco de certo que te resta, enquanto enfrentas todas as frestas abertas em ti.
E foi naquele dia em que descobri ser por inteira, apoiando-me em mim mesma quando não tinha ninguém que o fizesse.


You may also like

Um comentário:

  1. Esta composição realmente me emocionou, você não imagina o quanto.
    Emocionou-me por questões minhas, principalmente, mas também sinto-me mais e mais orgulhosa de você a cada dia que se passa, Diva. Sinto um prólogo para grandes rimas e sentimentos por vir ♥

    ResponderExcluir