Obsessa

2 Comments
Para tê-lo ao meu dispor, escrevi teu nome à sangue. Longas horas gastei, arriscando poções maquiavélicas e sem escrúpulos.
Quadros tortos, carcomidos. Os anos riscaram o desenho da tua partida. Eu, no entanto, nunca desisti de voltar a possuí-lo. Porque mesmo que digam que é doença, eu jamais deixo meu ego se abalar.
Aqui, nesta casa que foi tua, os ares estão turvos e fúnebres. Mas eu o espero de braços abertos para o nosso cárcere eterno.
Não esqueça de meu amor, e de que eu faço tudo para prová-lo. Não duvide do que sou capaz para que você me ame como sonho.
Eu o terei para mim, ainda que o preço seja alto. Não me importa dor alguma ou qualquer contestação. Ainda que não queiras, ainda assim, terá que me amar!


You may also like

2 comentários:

  1. O tom Imperativo não ganha sentido de imposição pelo medo, mas sim de suplício pelo desespero ♥

    ResponderExcluir
  2. dexa de ser depre ariane e não to zuando

    o blog a muito bom

    emo (L)

    ResponderExcluir