Os Monstros

14 Comments


    A dor não vai fechar estes cortes, nem as lágrimas com gosto de morte vão resolver. É de longe a pior fase de uma vida que se pode viver. Tanto abandono risonho e zombeteiro, tanta solidão soberana, e a tristeza e a raiva de mãos dadas a percorrer...
    O ódio confunde a razão, e a mentira cega o amor. O corpo vai cansando de estar cansado, os olhos desejando não chorar quando se fecham no escuro, e a boca citando prece que não dá jeito no desassossego do coração. A alma que tanto dói não querendo doer.
    Se está só é angústia, se está junto é agonia, é guerra tremendo dentro da alma, é corpo crepitando e queimando no fogaréu dessa anarquia. Essas feridas são cortes abertos que se magoam com água, e essas dores são flores que o tempo apodrece.
    Os sentimentos sem governo viram medo, ficam feios, viram monstros com fome de gente feliz. O mal têm cor escura e cheira à mofo, lembra que você vai estar sozinho no final, naquela hora em que menos mereceres e mais precisares, é quando estarás por conta própria com teus próprios monstros.






You may also like

14 comentários:

  1. Existem momentos de sofrimento em que já nem se consegue chorar mais...as razões variam muito, quase sempre não existe apenas uma razão para esse sentimento de abandono e anarquia.
    Nada pior que estar por conta própria, com um imenso rio seco dentro de nós, e monstros a invadir-nos todos os poros.
    A dor precisa ser falada, e tu escreves muito bem.
    Gostei muito. Parabéns!
    xx

    ResponderExcluir
  2. poxa Ariane você está de parabéns

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Ariane.. primeiramente um prazer te-la em meu espaço... e segundo tens escritos muito fortes bem ao estilo que adoro fazer... falar de morte, e tudo que a cerca é méritos de um dos meus idolos Augusto dos Anjos.. sou um mero aprendiz.. mas me divisrto com sonetos mais carregados do sombrio.. tenho obras como o livro dos mortos e faces da loucura que são todas assim mas vou postando aos poucos pq a maioria que me lê não quer nem saber de vermes rsrs todos vão para a cremação.. se eu tiver um crematorio acho que fico rico viu.. tenho muita admiração tb por Edgar Allan Poe.. e sua poesia o corvo.. enfim fuça nas publicações que tem um misto de tudo do mórbido ao romantico e algumas sensuais.. e a Laura que comentou aqui.. ela é uma das poucas que ama essa morbideza.. vou add vc e seguir seus escritos tb.. por hj to vazando da net que aqui no sul a gente tá debaixo de gelo hj.. uma linda noite e até sempre

    ResponderExcluir
  4. Oi querida,
    Esse cara que comentou aí em cima é meu seguidor e tudo que escreveu é verme. Se fizer um crematório ficará rico mesmo.
    As suas postagens são muito fortes., eu já estou morrendo de medo. Ai
    Beijos
    Bay, bay
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  5. Desculpa
    Errei de tanto medo: esse cara que escreveu é VERDADE.
    Desculpe, perdi o rumo
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga Ariane !!! !!

    Obrigado pela gentil visita ao meu espaço. Pelas
    Palavras de carinhos com meus trabalhos. Passando Para retribuir essa gentileza e deleitar-me com tão maravilhosos textos. Está de parabéns. Já sou seu seguidor também.
    Te desejo uma semana maravilhosa, com muita luz e
    Amor em teu coração.
    Beijos de luz!!!!!!!!!

    POETA CIGANO – 12/08/2013
    http://carlosrimolo.blogspot.com
    “Poesias do Poeta Cigano”

    ResponderExcluir
  7. 'Todo desassossego é um solidão egoísta. Eu sempre me proporciono momentos assim. È como se nada importasse, para dar sentido ao que me existe.'

    Me será um prazer estar aqui, para apreciar-te em 'assomos' escritos.

    PoetaLuar

    ResponderExcluir
  8. Honestamente, queria que o meu blog fosse metade do que o seu tem sido. Por mais na merda que você precise estar para dizer tudo isso, pelo menos sobra menos da sensação de estar deixando a vida passar com anestesia.

    Aliás, o layout ficou muito bom. Só eu não sei fazer essas coisas?

    ResponderExcluir
  9. Já anotei seus números, obrigada. Eu tinha tentando te mandar uma mensagem, faz umas semanas, mas não foi de jeito nenhum. E ontem meus créditos acabaram. Bacana.

    Também sinto falta de você. Talvez seja impressão, mas você tem estado meio distante. Ou talvez eu esteja. É provável. Estou cheia das metafísicas, ultimamente.

    ResponderExcluir
  10. Oi Ariane querida

    Fiquei muito feliz com a tua visita. Também gostei muito do teu blog. Li coisas lindas por aqui. Por isso resolvi te seguir. Espero ter o prazer de ver você novamente em meu blog e quem sabe também não resolve ficar por lá.


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  11. Olá, Madame Sombra!

    Obrigado pelo comentário que deixou lá no meu blog. Fiquei muito lisonjeado. Espero que você possa voltar mais vezes.

    A tristeza provocada por uma decepção, ou por decepções, arranca qualquer possibilidade de que a gente consiga sentir o prazer das coisas que nos cercam. Não há sol que ilumine ou perfume que nos inebrie, ou até mesmo alimento que nos delicie. Apenas a tristeza passa a ser o único sabor, o único odor, o único som ou tato. Nossos sentidos parecem cercados de escuridão e o vazio toma forma em nossa alma. Esse é o poder da tristeza...

    E uma forma de transformar a tristeza em algo belo é através da poesia. Com nossos escritos damos forma a nossa dor, que se transforma em algo que transcende a nós mesmos. Principalmente se essa poesia alcança a alma de alguém. Quando isso acontece, nasce um novo sentido para o que originalmente era uma tristeza. Nasce uma palavra em estado de arte.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Olá, Madame Sonmbra! Tem selo pra vc lá no blog: http://www.oguardiaodehistorias.com.br/2013/08/selos-versatile-blogger-award.html

    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Eu não abandonei ninguém, cara. Te dei meu celular e você, com um novo número ou sei lá o quê, só passou o seu para a Lu. Podia ao menos ter perguntado o motivo pelo qual decidi fechar minhas contas...
    E sim, eu temo o abandono, mas nem sei por quê, porque já não tenho ninguém comigo. E não discorde, porque você mesma já não estava podendo mais conversar comigo.

    Pela falta de um adeus, já que é tão importante: adeus. E desculpa, de novo.

    Linniker.

    ResponderExcluir
  14. Lindo de morrer.

    Sua escrita é ótima. Parabéns.

    um abraço mórbido para você.

    ResponderExcluir